Denúncias contra Aécio podem abalar candidatura de Alckmin, diz FHC

A candidatura do ex-governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), no pleito de outubro deste ano à Presidência da República pode ser abalada pelos escândalos envolvendo o senador Aécio Neves (PSDB-MG). A opinião é do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.

No programa “Conversa Com Bial” da madrugada desta quinta-feira, 26, FHC foi questionado sobre sua declaração que definiu Alckmin como “corredor de maratona, não de 100 metros”, como forma de minimizar os baixos índices de intenção de votos do ex-governador de São Paulo nas pesquisas da disputa presidencial. “Que abala, abala. Pode abalar. Se vai minar, vamos ver, dependendo da energia do maratonista e da capacidade que ele tem de conseguir apoio”, disse.

Efeitos de decisão do STF

Sobre os efeitos nas pretensões tucanas após Aécio ter se tornado réu no Supremo Tribunal Federal (STF) por corrupção e obstrução da Justiça, o ex-presidente defendeu que é preciso aguardar. “Temos de ser prudentes em olhar quais vão ser as consequências, depende da resposta política que as pessoas derem”, disse.

O ex-presidente foi confrontado se, após o caso Aécio, não ficaria impossível sustentar que a corrupção do PSDB não tenha sido tão sistêmica quanto a do PT. “Quando se diz sistêmica, quer dizer o que? Não é que foi muitas pessoas. Quer dizer que foi uma organização que beneficiou partidos que estão no poder e que utilizou empresas públicas para aumentar o valor dos contratos, passar para empresas privadas e para os partidos”, disse.

“O que foi dito sobre o Aécio não tem nenhum tesoureiro envolvido. No caso do mensalão e do petrolão é o contrário. Os dois são ruins, mas são diferentes. Por enquanto são atos individuais (de Aécio)”, acrescenta FHC. O ex-presidente disse que espera ver Alckmin no segundo turno. Mas, caso o tucano não chegue lá, vai “tentar ver quem é o melhor para o Brasil”.

Com informações do Jornal O Estado de São Paulo