Com queda de casos de Covid, Ceará retoma cirurgias eletivas a partir desta segunda Leia mais em: https://www.opovo.com.br/noticias/ceara/2022/02/14/com-queda-de-casos-de-covid-ceara-retoma-cirurgias-eletivas-a-partir-desta-segunda-feira.html ©2022 Todos os direitos são reservados ao Portal O POVO, conforme a Lei nº 9.610/98. A publicação, redistribuição, transmissão e reescrita sem autorização prévia são proibidas

Com a queda de casos de Covid-19, o Ceará retoma cirurgias eletivas a partir desta segunda-feira, 14. A informação é do titular da Secretaria da Saúde do Estado (Sesa), Marcos Gadelha, divulgada nesta manhã. As cirurgias haviam sido interrompidas na primeira semana de janeiro deste ano.

Desde outubro até o início de dezembro de 2021, pelo menos 6 mil cirurgias de média e alta complexidade foram realizadas no Ceará, quando o Governo do Estado anunciou plantão 24 horas na rede hospitalar estadual para acelerar a fila de espera por cirurgias eletivas, afetada pela pandemia.

A meta do programa era zerar a fila de mais de 30 mil pessoas que aguardavam por procedimentos cirúrgicos no Ceará. O Ministério da Saúde define as cirurgias eletivas como procedimentos que não precisam ser realizados em caráter de urgência, podendo assim ser agendados.

O secretário elencou os pontos que contribuíram para o retorno das cirurgias no Ceará: “Isso só é possível em virtude da melhora no cenário epidemiológico. Quando nós tivemos uma diminuição importante nos atendimentos nas UPAs e Unidades Básicas de Saúde, diminuição relativa da positividade nos exames de Covid-19, o que significa uma menor transmissibilidade do vírus, e uma demanda menor por leitos de enfermaria e UTI”, argumenta.

“Hoje nós temos evoluído com o aumento da cobertura vacinal. Ressaltamos a importância do cidadão aderir a vacinação para que possamos avançar em programas como os da cirurgias eletivas”, finaliza.

Sesa orienta retorno de cirurgias eletivas no Ceará neste mês

No Ceará, a realização de cirurgias eletivas deve ser retomada nesta segunda quinzena de julho. Os procedimentos do tipo foram suspensos no começo do ano devido à sobrecarga hospitalar resultante da segunda onda da pandemia de Covid-19 no Estado. A retomada foi pactuada em reunião da Comissão Intergestora Bipartite (CIB) ocorrida na última sexta-feira, 9.

O retorno deve ser escalonado. Agendamentos devem priorizar pacientes com procedimentos cancelados e adiados anteriormente, especialidades (como câncer, transplante de órgãos e traumas) e/ou nível de sofrimento do paciente. Também deve haver pontuação de prioridade objetiva. Os estágios do escalonamento serão divididos da seguinte forma.

Estágio 1: até 50% dos níveis normais de atividade cirúrgica;• Estágio 2: até 75%;• Estágio 3: até 100% ou o mais próximo dos níveis normais de atividade.

O cenário epidemiológico atual, que apresenta diminuição em casos, óbitos e internações há duas semanas, influenciou a escolha do retorno das cirurgias eletivas. A medida engloba hospitais, clínicas, ambulatórios, laboratórios e unidades de saúde públicas e privadas do Ceará. Um cronograma específico está sendo definido, segundo a Secretaria de Saúde do Estado (Sesa).

O programa em elaboração irá obedecer a critérios de prioridades, além do tempo de agendamento e marcação de cirurgias. “Vamos utilizar a estrutura que ampliamos durante a pandemia, nos hospitais das cinco regiões de Saúde, para realizar o maior número de procedimentos. Nossa meta é zerar a fila”, disse o secretário da Saúde do Ceará, Dr. Cabeto.

 

As unidades que realizarem os procedimentos são orientadas pela Sesa a criar uma comissão de priorização da agenda cirúrgica. Para a pasta, devem participar desse núcleo o diretor técnico do serviço de saúde, cirurgiões, anestesistas, infectologistas, enfermeiros e equipe diretiva. As instituições também devem disponibilizar protocolos de segurança próprios.

A Sesa recomenda, ainda, a testagem do coronavírus no pré-operatório dos pacientes, tendo em vista que há possibilidade de aumento de risco de complicações no pós-operatório em pessoas com Covid-19. Para vacinados, A pasta sugere aguardar pelo menos sete dias entre a aplicação da vacina e a realização de procedimentos cirúrgicos.

“Tudo tem que ser realizado de forma responsável, sendo necessário reabrir ambulatórios, criar fluxos seguros de triagem dos pacientes e seleção dos profissionais de forma a assegurar a proteção quanto à Covid-19”, explicou Cláudia Regina Fernandes, assessora da Secretaria Executiva de Atenção à Saúde e Desenvolvimento Regional (Seade) da Sesa.

 

 

Fonte: O Povo