Petrobras monitora sobe e desce do preço internacional do petróleo

Em nota ao mercado, a estatal informou ontem que “evita o repasse imediato das volatilidades externas e da taxa de câmbio causadas por eventos conjunturais”.

Diante de notícias que ontem circularam na mídia, a Petrobras distribuiu um comunicado dirigido ao mercado, cuja íntera é a que segue abaixo:

“A Petróleo Brasileiro S.A. – Petrobras, em relação às notícias veiculadas na mídia a respeito dos reajustes nos preços de combustíveis, mantém seu compromisso com a prática de preços competitivos e em equilíbrio com o mercado, ao mesmo tempo em que evita o repasse imediato das volatilidades externas e da taxa de câmbio causadas por eventos conjunturais. 

“A Petrobras monitora continuamente os mercados, o que compreende, dentre outros procedimentos, a análise diária do comportamento de nossos preços relativamente às cotações internacionais.”

Um pouco mais tarde, o diretor executivo de Exploração e Produção, Fernando Borges, concedeu entrevista ao Canal epbr, durante a qual afirmou que a política de preços da empresa continua seguindo aparidade internacional, mas ressaltou, neste momento, há uma grande volatilidade no mercado internacional, citando que, num mesmo dia, a cotação sobe e desce.

A Petrobras tem evitado repassar esse sobe e desce para a sociedade, aguardando que o mercado se estabilize.

“Temos a responsabilidade de conduzir a companhia respeitando o parâmetro de preço do mercado, até para não causar perturbação, uma vez que o país depende de importação, e, também, para não causar prejuízos desnecessários à companhia”, acrescentou Fernando Borges.

Ele informou que a Petrobras deverá explorar a chamada Margem Equatorial – que vai da Amazônia até o Rio Grande do Norte. Nessa área, a estatal espera estar produzindo petróleo até 2030.

Fonte: Diário do Nordeste